25 de dez de 2008

feliz natal e um 2009 bobolettas e bobolettus de Uma nova ERa.!!!!


Desejo que este Natal e ano Novo seja como a Matemática: amigos a somar, inimigos a subtrair, alegrias a multiplicar e tristezas a dividir. Cuidar da natureza é obrigação dos seres humanos então em 2009 bobolettas e bobolettus começamos uma nova Era..Consciência Ambiental

Porque será que certos símbolos, associados ao culto da infância e da inocência, resistem a séculos de maus tratos e, ciclicamente, emergem tão fortes que, nos mais diversos e adversos contextos, são, por alguns dias e em todos as latitudes, objeto da atenção e da veneração de todos e, desse modo, constituem um traço de união à escala planetária?
Nós vamos Cuidar dos nossos jardins e com a Concientização de todos vamos replantar o mundo....

Bem sei que, em muitas circunstâncias, se torna difícil descortinar a presença do símbolo que é fator desta súbita e frágil fraternidade, tão embrulhado ele surge na ruidosa algazarra do comércio e na intensa cegueira da luz, ambos, ao que parece, apostados em desviar-nos do rumo que conduziria ao berço inspirador destes impulsos.

O que tudo isto revela – a escala planetária do gesto e a infinita multiplicidade das formas que o concretizam – é que há valores que se sobrepõem à cacofonia dos ruídos e das propostas desviantes. E que o triunfo daqueles valores, ainda que fugaz e condicionado, responde a um apelo tão ancestral e tão forte quanto a nossa condição - que de humanos faz, timidamente, irmãos.

Pena é que, passado este lúcido período, tudo regresse à antiga forma, até novo intervalo redentor, daqui a um ano. Com a evidência, e a mágoa, do escasso proveito que esta pausa terá deixado na nossa comum aspiração a um mundo mais condizente com a natureza pacífica e fraterna da relação interpessoal, que a todos possibilite condições de realização e de felicidade.

Oxalá soltemos meter o espírito de natal e no Ano novo em jarros e abrir um casulo em cada mês do ano para que cada dia nasça uma nova borboleta .

Pela parte que nos toca, como responsáveis pela elaboração do novo, é esta preocupação que, quotidianamente, preside às nossas decisões e orienta a sua concretização. É assim que, ano após ano e não obstante as dificuldades que um contexto cada vez mais adverso nos coloca, procuramos dar aos internautas e habitantes do universo digital a Boa Nova do desenvolvimento qualificado do conteúdo e seus ambientes. E assim vai continuar a ser!
Há mais, muito mais, para o Natal do que luz de vela e alegria; É o espírito de doce amizade que brilha todo o ano. É consideração e bondade, é a esperança renascida novamente, para paz, para entendimento, e para benevolência Ecologicados dos homens.

Isto é o Natal! Acontecimento histórico e mistério de amor que, há mais de dois mil anos, interpela os homens e as mulheres de cada época e lugar. É o dia santo em que brilha a «grande luz» de Jah, Alá, Yemanjá ou Cristo, portadora de paz! Certamente, para reconhecê-la, para acolhê-la, é preciso fé, é preciso humanidade.

Feliz Natal! Bom Ano Novo!

São, cordialmente,

Nós, bobolettus, desejamos nada menos que o melhor, trabalhamos o ano inteiro para pensá-lo e produzí-lo, especialmente, por você.

Feliz 2009 !

Sugestões de presentes para o Natal: Para seu inimigo, perdão. Para um oponente, tolerância. Para um amigo, seu coração. Para um cliente, excelente serviço. Para tudo, caridade. Para toda criança, um exemplo bom. Para você, respeito.

agora Voem em ajudar a noSSa Natureza....!!
2009 ano do meio ambiente...
fiquem com Deus e ajudem !!!

8 de dez de 2008

Meu Deus a boboletta ta saindo do CAsulo !!! Meta de desmatamento 'fortalece' Brasil em reunião da ONU



Especialistas dizem que plano brasileiro reforça liderança, mas fazem ressalvas.

fonte BBC,Globo

O anúncio inédito de metas para desmatamento no Brasil - feito pelo governo no último dia 1º - reforçou a posição do país nas negociações sobre o clima em Poznan, na Polônia, segundo especialistas que participam da 14ª reunião das Nações Unidas sobre mudanças climáticas (COP 14).

"Existe um certo ceticismo sobre algumas coisas. Os detalhes de como essas metas ambiciosas vão ser atingidas, ou seja, planos específicos para cada setor", afirmou Doug Boucher, da Union of Concerned Scientists (União dos Cientistas Preocupados).

O diretor da Iniciativa para Clima e Florestas Tropicais, uma ONG americana que defende soluções científicas para questões globais, disse ainda que uma "liderança compartilhada" parece estar se desenhando em Poznan.

Por um lado, o enfraquecimento da posição da União Européia (UE), por divisões internas sobre metas de emissão de gás carbônico, e o desinteresse demonstrado pelos Estados Unidos, teriam deixado um vácuo.


Força em desenvolvimento

Por outro, Boucher diz que os países em desenvolvimento tomaram a dianteira com iniciativas recentes de fixar metas como a África do Sul - muito dependente de usinas de carvão para gerar energia - e a Coréia do Sul.

Com o anúncio brasileiro, a tendência ganha ainda mais força, segundo Boucher. "Isso representa o quarto maior emissor do planeta (dois terços das emissões brasileiras são produzidas por desmatamento) assumindo o compromisso de uma redução substantiva nos próximos dez anos."

O plano também foi elogiado com ressalvas pela União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN, na sigla em inglês).

"(A iniciativa) é bem-vinda. O Brasil, nos últimos anos, vem demonstrando uma determinação real em combater as causas do desmatamento", afirmou Stewart Maginnis, diretor do Programa de Conservação de Florestas da IUCN.


Acordo mais próximo

O especialista, ex-diretor de florestas do WWF, disse ainda que o anúncio pode facilitar um acordo para redução de emissões após 2012.

"Ao assumir uma meta antes do acordo final, que deve acontecer no ano que vem em Copenhague, o Brasil dá um sinal animador de que metas de desmatamento como parte de uma solução global para o clima são possíveis não apenas teoricamente, mas na prática", afirmou Maginnis.

No entanto, Maginnis ressalva que seria "ingênuo supor que não existirão decepções no caminho, como já aconteceu neste ano".

Nesta semana, desembarcam em Poznan ministros do meio ambiente de quase 200 países, além da aguardada equipe de congressistas que vai relatar o progresso das negociações ao futuro presidente americano, Barack Obama.

Senhor Novo dono do mundo por fAvor colabora !!!as borboletas ai dos EUA também querem Voar e o Senhor pode ajudar também

Leia mais notícias de Ciência e Saúde

1 de dez de 2008

QUANDO A ÁGUA BATE NA BUNDA !!!!


Não é de hoje que a relação entre população, recursos naturais e desenvolvimento econômico tem sido objeto de preocupação da humanidade. Conservar o meio ambiente é essencial para preservar os seres vivos e para o crescimento da economia mundial. E essa preocupação chegou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que não tem feito “vista grossa” para os crimes ambientais. Para o Tribunal da Cidadania, a responsabilização penal pela prática de delitos ambientais surge não apenas como forma de punição das condutas lesivas ao meio ambiente, mas como forma de prevenção da prática de tais crimes, função essencial da política ambiental que clama por prevenção.

Com isso, verificam-se grandes avanços quanto aos critérios adotados para o uso dos recursos naturais. Exemplo disso é o desenvolvimento de uma ampla legislação ambiental (Lei de Crimes Ambientais, Política Nacional do Meio Ambiente), de processos de gestão ambiental, criação de unidades de preservação através do Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC – (parques nacionais, áreas de preservação ambiental etc.), estudos de manejo de bacias hidrográficas e outras inúmeras ações.

Apesar de todos esses avanços, o meio ambiente precisa de cuidados, já que muitas instituições e pessoas ainda desenvolvem atividades econômicas predatórias e destroem áreas de grande sensibilidade ambiental. Esse descaso provoca a escassez dos recursos naturais, com conseqüente degradação ao equilíbrio ecológico e da qualidade vida.

O STJ julgou diversos recursos sobre o assunto. Um exemplo é o recurso especial 564960, julgado em 2005, na Quinta Turma. A decisão responsabilizou penalmente uma empresa de Santa Catarina por dano ambiental. No caso, o Auto Posto 1270 poluiu um leito de rio ao lançar nele resíduos como graxas, óleo, lodo, areia e produtos químicos resultantes da atividade do estabelecimento. Na época, a Turma concluiu que a decisão, inédita até então, atendia a um antigo reclamo de toda a sociedade contra privilégios inaceitáveis de empresas que degradam o meio ambiente.

Outra questão de grande relevância foi o caso do recurso especial 647493, julgamento realizado pela Segunda Turma, que condenou a União, por omissão no dever de fiscalizar, a recuperar área degradada também em Santa Catarina, juntamente com as mineradoras que causaram dano ao ambiente por quase duas décadas. A Turma concluiu haver responsabilidade solidária entre o poder público e as empresas poluidoras, assim todos responderam pela reparação. Além disso, o colegiado destacou que as ações coletivas de reparação de dano ambiental são imprescritíveis, isto é, podem ser propostas a qualquer tempo, pois não há um prazo limite definido em lei.

Em outro julgamento (HC 89386), um executivo do Grupo Votorantim foi responsabilizado pela poluição causada pelo lançamento de óxido de zinco na atmosfera, bem como pelo lançamento de água do sistema lavador de gases diretamente para a rede de esgotos, sem tratamento. Esse ato causou danos diretos à saúde da população local (problemas respiratórios).
O dano foi provocado anteriormente à existência de uma legislação ambiental. Mesmo assim, os ministros da Quinta Turma determinaram a continuidade da ação penal por entenderem que, dada a natureza permanente do delito, não é relevante que os fatos narrados na denúncia tenham começado antes da vigência da Lei n. 9.605/98, a Lei de Crimes Ambientais, já que as atividades poluidoras seguiram desde outubro de 1986 até julho de 2004.

A Turma ressaltou ainda que, nos casos de processos sobre danos ambientais, os maiores responsáveis por tais atitudes são empresas, entes coletivos, através de suas atividades de exploração industrial e comercial. A incriminação dos verdadeiros responsáveis pelos eventos danosos, no entanto, nem sempre é possível, diante da dificuldade de apurar, no caso das pessoas jurídicas, a responsabilidade dos sujeitos ativos dessas infrações.

Percebe-se que muito está sendo feito pelo meio ambiente. Porém não basta indenizar o dano ambiental e as seqüelas causadas pela degradação. Para o ministro Gilson Dipp, relator no julgamento do Resp 564960, que responsabilizou penalmente uma empresa por dano ambiental, “o caráter preventivo da penalização, com efeito, prevalece sobre o punitivo. A realidade, infelizmente, tem mostrado que os danos ambientais, em muitos casos, são irreversíveis, a ponto de temermos a perda significativa e não remota da qualidade de vida no planeta”.

FONTE http://www.24horasnews.com.br/index.php?mat=275244

mEU DEUS TOMARE QUE ALGUM SER DA NATUREZA ME ESCUTE !!NÓS ESTAMOS PERDIDO..CHEGA DE BLA BLA BLA E MAOS A OBRA BRASIL...CHEGAAAAAAAAA !!!MUDEM ESSAS LEIS ULTRAPASSADAS..
LAMENTÁVEL MESMO !!!!
E PARABÉNS PELA MATERIA...GRAÇAS A DEUS QUE TEM PESSOAS QUE VÃO MUDAR O MUNDO!!!