13 de jun de 2009

o Pensamento VERDE...


Calma ai gente trabalho A anos falando sobre isso e agora acontece isso...MATÉRIA RETIRADA DE UMA AGENCIA DE EMPREGOS....Já virou uma espécie de clichê: “o futuro do emprego é verde”. Muito pela crise financeira que começou no final de 2008, principalmente no setor imobiliário e agrícola, o certo é que a frase chega aos dias atuais com um contexto. Assim como a revolução industrial e da informática, o meio ambiente agora é o setor que promete gerar oportunidades aos trabalhadores. O tal mercado da sustentabilidade envolve atividades como reciclagem, restauração de florestas, pesquisas e desenvolvimento de novos produtos. E se antes as companhias apostavam no meio ambiente para aproveitar as vantagens competitivas, como benefícios fiscais, por exemplo, hoje o diferencial já é outro: “A questão da sustentabilidade ainda é uma novidade, mas o provável é que vamos observar um crescimento do chamado ‘emprego verde’ nos próximos vinte anos. Não é por nada que as principais companhias do mundo já contam com gerentes e diretores para esta área específica”, conta o diretor da consultoria de recursos humanos Globalhunters, Cristian Ney Gomes.

De fato os gigantes de diversos setores dão indicações do que está por vir. Empresas como a Petrobrás, Vale do Rio Doce, Microsoft e outras abriram já há algum tempo as diretorias para cuidar do meio ambiente. São profissionais que estudam como essas empresas podem utilizar o conceito de sustentabilidade a favor de seus negócios. “O tal selo verde ainda não é importante para o consumidor, sendo que o preço final é o que importa. Mas pegando como exemplo as empresas de tecnologia, que estão equiparadas nos preços de seus produtos, o selinho amigo do meio ambiente já é um diferencial na hora de escolher. É um processo que está em evolução”, explica Eduardo Tomyia, diretor da empresa BrandAnalytics. Tomyia ressalta que, hoje em dia, as companhias que mais lucram no mercado de ações são aquelas responsáveis com a natureza: “Não é mais uma opção se adequar a essa lógica. É uma questão de estar dentro ou fora dos negócios globais”.

Mas, como toda novidade, muitas mudanças ainda estão por vir até que o ‘emprego verde’ entre na crista da onda. “O mercado está bem complexo ainda nesta área. É sempre assim quando se inicia um grande processo de mudança. Ainda vamos passar por um processo de adaptação comparável ao que ocorreu na área da informática”, diz Gomes. O diretor da Globalhunters conta que, assim como demoraram dez anos para as empresas aceitarem a necessidade dos profissionais de tecnologia, atualmente elas ainda não absorveram as mudanças na área ambiental. “E até hoje ainda faltam profissionais na tecnologia”, salienta.

Algumas mudanças já apontam que as profissões verdes têm um futuro promissor. Ainda num primeiro estágio e devido ao alto custo para se manter um profissional da área ambiental ser ainda grande, a saída tem sido a contratação de consultorias especializadas. “As grandes empresas já podem contar com seus próprios funcionários, mas para as de pequeno e médio porte a solução viável por enquanto é contratar o serviço de terceiros”, explica Gomes.

Formação

A procura por graduações referentes ao meio ambiente ainda é pequena. Para citar um exemplo, no último vestibular da Universidade Federal do Paraná o curso de Engenharia Florestal teve a concorrência de 5,5 candidatos por vaga, enquanto a concorrência para Medicina passa de 30 candidatos por vaga. “Por serem cursos recentes, algumas pessoas ainda fazem confusão justamente por não conhecerem direito á área. Outro problema é que as profissões mais tradicionais, como Engenharia Civil e Direito, têm suas atribuições bem definidas pelos seus conselhos regionais. Na área ambiental elas ainda são restritas. Existem atribuições, como de saneamento básico, que ainda são legalmente da área de Engenharia Civil. Portanto, o caminho hoje ainda é fazer um curso tradicional e depois se especializar em meio ambiente”, explica Gomes.
De uma forma ou de outra a revolução ambiental está no começo. Muitas mudanças devem acontecer e a única certeza que temos é que o meio ambiente será uma preocupação mundial nos próximos anos. Não estar atento aos conceitos de sustentabilidade não é apenas não se interessar pelo o assunto, mas escolher viver numa espécie de realidade paralela: “A preocupação com o meio ambiente já está aí. E a questão terá que percorrer as escolas, as faculdades e também as companhias que regem a economia do mundo. E é evidente que precisaremos de profissionais especializados na área ambiental”, diz Eduardo Tomyia.....
GENTE FICO FELIZ QUE AS COISAS ESTÃO TOMANDO ESSE RUMO ...aINDA BEM QUE tEMOS PESSOAS COM CONSCIENCIA AMBIENTAL..bOBOLETTAS E bOBOLETTUS aGRADEÇEM eSSA cAUSA...